RN é o pior estado do Nordeste em destinação de resíduos

Os resíduos sólidos produzidos nas cidades do Rio Grande do Norte são destinados adequadamente por apenas 12 cidades, ou seja, ambientes nos quais o lixo termina em aterros sanitários. A realidade de 155 cidades, ou 93% do território potiguar, é de destinação inadequada, com graves ameaças ambientais e ao bem-estar social.

Os dados, que são do Ministério do Meio Ambiente, colocam o RN em alerta, já que a média regional do Nordeste dá conta de que 75% das cidades destinam o lixo de forma incorreta, número abaixo dos 93% registrados no RN, conforme a Confederação Nacional dos Municípios.

A forma de destinação correta adotada pelo Plano Nacional de Resíduos Sólidos é o aterro sanitário. A política que está em vigor estabelece como meta que em 2024 não deverá haver nem lixão nem aterro controlado, uma forma intermediária de aterro sanitário e a completa falta de manejo que se vê nos lixões.

No Rio Grande do Norte, o assunto, que vem sendo acompanhado por órgãos ligados ao tema, ganhou ainda mais relevância na Semana do Meio Ambiente. No Fórum Estadual RN Lixo Zero, um painel reuniu representantes do Governo do Estado, Ministério Público e instituições e cidades com boas práticas de manejo de resíduos.

A coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Promotoria do Meio Ambiente, do MPRN, Mariana Barbalho, considera que o cenário que se desenha é de desafio por reunir problemas sociais, econômicos e políticos. Ela acredita, no entanto, que a inauguração de mais um aterro sanitário de caráter regional no RN é um passo importante nessa jornada. 

A promotora visitou esta semana a CTR Potiguar, no município de Vera Cruz, e conheceu a estrutura do primeiro aterro privado do Rio Grande do Norte. O equipamento conta com toda segurança ambiental para destinação de resíduos e oferece uma nova perspectiva para as pequenas cidades e a todo esse setor do RN, além do compromisso com o desenvolvimento sustentável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.