Para Rogério Marinho, medida do STF que define fim do imposto sindical é “O princípio da moralização do sindicalismo brasileiro”

Por William Medeiros.

O STF decretou nesta sexta-feira (29) a constitucionalidade do fim do imposto sindical obrigatório, um dos pilares da reforma trabalhista aprovada pelo Congresso Nacional. Votaram favorável a medida Luiz Fux, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello. Se posicionaram contra a medida os ministros Edson Fachin (relator), Rosa Weber e Dias Toffoli.

Para o relator da Reforma Trabalhista, deputado federal Rogério Marinho (PSDB), a medida é considerada “o princípio da moralização do sindicalismo brasileiro”. Em resposta a uma matéria do Antagonista, o parlamentar afirmou que “Os sindicatos cartoriais e não representativos serão depurados, deverão modernizar-se, representar efetivamente os trabalhadores e finalmente ingressar no século XXI, despindo-se da muleta coercitiva que distorceu e descaracterizou a atuação do movimento nos últimos 70 anos”, disse o deputado tucano que completa: “Perdem os pelegos, ganha o Brasil”.

*Com informações do Antagonista*

Foto: Assessoria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.